Nossa Razão

49 0

Capítulo 15

Nic

Karla apresentar Toni para a turma certamente oficializava o relacionamento dos dois. E não sei o que mais me incomodava. O fato de saber que era sério, ou de ela não ter me avisado que faria aquilo, quando sempre dividíamos tudo.

Acho que fui ridiculamente ingênuo ao pensar que cuidar dela no final de semana poderia mudar alguma coisa. Bem, talvez não tenha mudado exatamente, mas que a tinha afetado, isso eu sabia. Ela não ficou imune. Karla sentiu que tinha algo diferente, que havia um clima muito mais… intenso. Uma conexão que eu duvidava que ela compartilhasse com o cara ao qual eu era agora apresentado.

— Toni, este é Nic, irmão da Milena. — Karla tentou imprimir um tom animado, mas falhou. Ela não estava à vontade. Eu só ainda não sabia o motivo.

— Seja bem-vindo. — Apertei a mão dele, lembrando-me de quando o vi encarando Karla pela primeira vez, e de que a incentivei a ir adiante. Como fui idiota! — Você vai ter que se esforçar bastante para cuidar dela melhor do que eu.

Apesar do tom espirituoso, era um aviso. Independentemente do que acontecesse entre mim e Karla, eu jamais deixaria de cuidar dela, como sempre o fiz.

— Por que você é branco? — Ele rebateu em desafio.

— Toni…

Karla chamou sua atenção de forma discreta, e eu não pude deixar de olhar para ela. Sabia o quanto aquele tipo de situação a incomodava, mas eu não aliviaria para ele. Eu o deixaria saber que ela tinha alguém que estava de olho, que a protegeria de qualquer um, inclusive de um babaca como ele, de quem eu passava a gostar menos ainda depois daquela insinuação.

— Porque sou o melhor amigo, se ela ainda não te falou. Porque conheço a Karla desde sempre e tanto ela quanto a minha irmã, serão sempre a minha prioridade. Agora, se você prefere interpretar o meu comentário como racista, não posso fazer nada.

— Nic…

— Se vocês me dão licença, vou pegar um lugar para mim.

Fui até a ponta oposta da mesa, sentando-me ao lado de Gael.

— Você, fazendo inimigos, Nic? — Debochou ele, atento obviamente àquela breve conversa.

— Não sei o que a Karla viu nesse babaca! — resmunguei, mal-humorado.

— Dá um tempo, maninho. Você não o conhece.

— Nem quero!

— Não fala assim. É o namorado da nossa melhor amiga. — Milena defendeu e eu a questionei.

— Você sabia disso? — Apontei para a cena, referindo-me ao fato de trazer ele para o grupo. Ela não respondeu. E nem precisava. — Pelo visto, só você continua a melhor amiga.

— Nic…

— Vamos mudar de assunto?

Chamei o garçom para pedir uma bebida. Destilado hoje, porque precisava de algo mais forte para controlar a raiva e o ciúme.

Foquei minha atenção no restante dos nossos amigos, evitando olhar na direção do novo casal. Porém, era inevitável fazer aquilo quando tinha que responder alguém ao lado deles. Nesses momentos, eu assistia a troca de discretas carícias, beijos e sussurros, fazendo meu sangue borbulhar nas veias.

Eu não tinha o direito de estragar o programa de ninguém, mas sentia que se continuasse vendo aquilo, era o que aconteceria. Contudo, antes que eu terminasse minha caipirinha e me preparasse para me despedir de todos, percebi uma mulher caminhando na direção de nossa mesa, o olhar fixo em mim.

Aparentava não ter mais do que a minha idade. Não era uma mulher qualquer. Sua postura e jeito de andar eram próprios de quem sabe o que quer. Ela sorriu, já bem próxima, e eu retribui, vendo-a parar ao meu lado de um jeito confiante.

— Desculpe interromper — falou para todos à mesa antes de olhar diretamente para mim. — Posso ter um minutinho da sua atenção?

— Só um?

Ela sorriu abertamente, gostando do que ouviu.

— Vai depender de você. — Deslizou o dedo sobre o meu braço em uma carícia sutil. — Eu e minha amiga fizemos uma aposta.

Olhei para a mesa que ela indicava. Não dava para dizer qual das duas era a mais bonita.

— Por que eu tenho a impressão de que independentemente de qual de vocês duas vença, eu sairei ganhando?

— Quer ter certeza a respeito disso? — Piscou de um jeito sedutor e eu já me levantava para acompanhá-la, enquanto um silêncio curioso se instalava à mesa.

— Se eu não voltar, acerta o meu — Pedi a Gael, notando minha irmã me encarando com certo espanto.

— Você está fazendo isso pelos motivos errados, cara. — Sussurrou.

Eu sabia a que ele se referia. Como também sabia que Gael já tinha percebido o sentimento que rolava em relação a Karla. E talvez ele tivesse razão e eu quisesse apenas mostrar que estava bem diante de tudo aquilo. Uma forma de vingança idiota.

— Não. Tô apenas seguindo a vida — falei uma verdade, que até ali eu não tinha assimilado, mas que parecia ter chegado a hora de enfrentar.

Olhei uma última vez na direção do casal, e a expressão de Karla não era muito diferente da de minha irmã. Não sei se ela estava admirada por eu deixá-los para sair não com uma, mas duas desconhecidas, ou porque uma delas tinha a pele negra como ébano, o que de certa forma era um tapa na cara do babaca do namorado. Obrigado, destino!

***

Sabe a tal aposta? Então. Na verdade, eram duas.

Isis duvidou que Yara tivesse coragem de encarar uma mesa cheia de gente, roubando a minha atenção ao ponto de me tirar daquela turma, com menos de cinco frases. O prêmio, caso Yara ganhasse, seria eu. Já se Isis estivesse certa… bem, ela não estava, então não perdemos tempo pensando nisso.

A segunda aposta veio quando eu ainda estava na mesa, entre as duas. Dizia respeito à eu continuar naquela posição, em um local mais privativo. Asseguro a vocês que os três saímos vencedores naquela brincadeira.

Foi uma situação inusitada. Não vou mentir que nunca fantasiei em transar com duas mulheres ao mesmo tempo. Estamos falando de algo que figura no imaginário da classe masculina com frequência. Só que nunca me vi colocando em prática, e nem sei dizer exatamente por quê. Mas posso afirmar que gostei. Ah, se gostei! Dar prazer a duas mulheres ao mesmo tempo é um tesão sem proporção, que exige certa disciplina e concentração, além de preparo físico, mas posso dizer que não decepcionei. Claro que aquela orgia cobrou seu preço, quando quase perdi a hora para trabalhar na segunda-feira.

— Bom dia! — Cumprimentei meio afobado ao entrar na copa e encontrar o trio de sempre. Um tanto calado, para o meu gosto.

— Tô achando você meio acabado, Nic.  — Gael apontou de forma sugestiva, e não pude deixar de rir.

— Com licença! — Karla resmungou de cara fechada, esbarrando em mim de forma nada delicada ao sair da copa.

— Ridículos! — Milena disparou, seguindo a amiga.

Olhei para a porta e depois para Gael, sem entender direito. Talvez eu ainda estivesse meio dormindo.

— O que foi que eu perdi? — Peguei uma caneca, enchendo-a com café.

— Em resumo? As meninas discursando contra a sua atitude, ontem à noite. As duas gatas que te acompanharam só não foram chamadas de santa. Já os caras, se roeram de inveja.

— Posso imaginar os dois lados. — Dei um gole generoso na bebida quente, lembrando-me de algumas expressões à mesa.

— Por falar em dois lados, mate a minha curiosidade.

— Bem longe da Milena, imagino.

— E da Karla! — Emendou, fazendo-me olhar para ele um pouco confuso. — Não diga que você acredita na veracidade daquele namoro.

— Eu não tenho que acreditar. — Dei de ombros. — Não me diz respeito.

— Você encarar os dois, antes de sair da mesa pra se enroscar em duas gatas, deixa isso bem claro.

Era engraçado que eu nada tivesse dito, sequer insinuado a Gael, a respeito daquela situação no mínimo complicada, e ainda assim, ele aparentasse saber de tanta coisa. Talvez eu não fosse tão discreto como imaginava. Ou ele fosse mais atento do que a maioria. De qualquer forma, não vi necessidade de mentir ou tentar esconder dele o que estava acontecendo, mesmo que não afirmasse isso com todas as letras.

— Ela fez uma escolha, não fez? Boas ou ruins, terá que viver com as consequências dela. E tudo o que posso fazer, é respeitar, como ela sempre insiste em afirmar.

A expressão de Gael me dizia que ele não acreditava muito naquele discurso. Quem sabe nem eu. Mas por enquanto, era o que me mantinha em pé. 

Obra registrada na Biblioteca Nacional®
Copyright © 2021 by Paola Scott.

Todos os direitos reservados à Paola Scott.

Reservados todos os direitos desta produção. Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida por fotocópia, microfilme, processo fotomecânico ou eletrônico sem permissão expressa da Paola Scott, conforme Lei n° 9610 de 19/02/1998.

Espero que tenham gostado! ♥

Não esqueçam de me dizer o que vocês estão achando nos comentários, e de convidar as amigas! Quanto mais vocês interagirem, maior a probabilidade de eu liberar capítulo bônus!!

Os capítulos serão postados às sextas-feiras, podendo haver capítulo bônus na semana dependendo da interação de vocês.

Então chamem as amigas para curtir essa história!

Boa diversão e até a semana que vem! ♥

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido!